Oxitocina e modulação da Dor Crônica

Sem Título

A oxitocina é um neuro-peptídeo sintetizado nos núcleos paraventricular e supra-óptico do hipotálamo e lançada para a circulação através da neuro-hipófise funcionando como um neuromodulador. São encontrados aglomerados de receptores de oxitocina no sistema límbico (amígdala), região relacionada com comportamentos sociais, além de glândulas mamárias e miométrio. Nos seres humanos, este hormônio é produzido na gravidez e durante o trabalho de parto, para estimular as contrações uterinas ou injetado sinteticamente para indução do trabalho de parto. A oxitocina também têm um papel importante na amamentação. A sucção do bebê estimula a liberação deste hormônio, fazendo o leite fluir com mais facilidade e atuando na relação emocional entre mãe e filho. Assim, a oxitocina é chamada de “hormônio do amor” pois está intimamente ligada à sensação de prazer e bem estar.

Em mamíferos não humanos, os receptores de oxitocina então distribuídos por várias regiões cerebrais associadas com o controle nervoso central do stress e ansiedade e, ainda, dos comportamentos sociais (incluindo, cuidados parentais, formação de laços, memória social e agressão a terceiros).

Além disso, estudos recentes têm relacionado a oxitocina ao controle de dor. A hipótese do uso da oxitocina no tratamento de dor crônica baseia-se em mecanismos de diminuição de sensibilização periférica, sensibilização central e estabilização de circuitos emocionais (límbicos).

O interessante é que a observação do efeito da oxitocina veio a partir da observação de mulheres grávidas e após o trabalho de parto e a diminuição de sintomas dolorosos durante a gravidez e no puerpério imediato.

Com efeito prático, algumas pesquisas têm utilizado a oxitocina sintética no tratamento de condições dolorosas crônicas, tais como dores miofasciais, fibromialgia e dor neuropática. Outros hormônios da gravidez, como a Relaxina, também estariam envolvidos no controle de dor crônica.

Referências:

1)Tracy LM, Georgious-Karistianis N, Gibson SJ, et al. Oxytocin and the modulation of pain experience: Implications for chronic pain management . Neuroscience and Biobehavioral Reviews 2015. 55: 53–67

2) Goodin BR, Ness TJ, Robbins MT. Oxytocin – A Multifunctional Analgesic for Chronic Deep Tissue Pain. Curr Pharm Des. 2015. 21 (7): 906–913.

3) Bani D, Yue SK, Biagazzi M. Clinical profile of relaxin, a possible new drug for human use. Curr Drug Saf 2009. 4 (3): 238-49.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *