Dor crônica em geral

aula como diagnosticar a dor neuropatica

Desde remotos tempos históricos, a dor tem sido objeto de interesse e preocupação por parte de várias populações. A busca por razões que justifiquem sua ocorrência e formas de se exercer um controle sobre este sintoma, segundo variações culturais e temporais, vem gerando atitudes na sociedade, objetivando seu melhor entendimento e formas de tratamento. Já nos tempos de Hipócrates, na Grécia Antiga, a dor era considerada uma manifestação de quebra do equilíbrio natural do organismo. Segundo a IASP (International Association for the Study of Pain) o conceito de dor corresponde à “experiência sensitiva e emocional desagradável relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos, onde cada indivíduo reage de acordo com suas experiências anteriores”. 

As síndromes dolorosas continuam sendo um grande desafio por englobarem aspectos variados, tais como suas manifestações e intensidade no tempo, além de fatores subjetivos e multidimensionais. Não há um consenso universal sobre o tempo de duração necessário para que uma síndrome dolorosa seja considerada crônica, entretanto, a Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP) caracterizou dor crônica como uma dor que persiste por mais de 3 meses. Atualmente, a maioria dos estudos se baseia nesta definição. 

A prevalência de dor crônica, definida na população em geral pela World Healthy Organization (WHO), varia em torno de 37% nos países desenvolvidos e 41% nos países em desenvolvimento, com média de idade entre 45 e 65 anos e predomínio em mulheres.

No Brasil, a dor é razão para consultas médicas em 1/3 dos atendimentos ambulatoriais e nos pacientes internados sua prevalência varia de 45 a 80%. As causas mais citadas são: lombalgia, cefaleia, dor abdominal, artralgia, dor torácica e nos membros. Há predomínio em mulheres, com prevalência na faixa etária de 45 a 65 anos. Ainda existe, atualmente, uma grande carência de profissionais que atuam nesta área. Assim, a formação para atuação na área de Dor vem ganhando espaço no Brasil nos últimos anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *